Notícia 05/11/2018 08:39

Novembro Azul: câncer de próstata é o segundo que mais mata os homens

 Doença mais comum àqueles que já passaram dos 50 anos, tem como principal cuidado o acompanhamento 
Alto-astral, esportista, atento com a alimentação e em cultivar bons pensamentos. Brincalhão, com boas tiradas, o construtor aposentado José Gonçalves da Silva Mendes, de 82 anos, é dessas pessoas de bem com vida e que exala sabedoria diante dos obstáculos que se apresentam. Ele faz parte do grupo que sabe lidar com o estresse e não deixa a angústia ou o desânimo colocá-lo pra baixo. Há pouco mais de dois anos, ele teve diagnóstico de câncer de próstata e encarou 37 aplicações de radioterapia para vencer a doença. Mesmo para os fortes, confessa, foi um susto e tanto. “Na realidade, vacilei. Para não dizer que errei ao não fazer os exames necessários. Só fui fazer o toque retal depois dos 80, com anos de atraso, mesmo com a família insistindo. O resultado foi que já estava num estágio grave, no penúltimo grau. Foi um choque.” 
Choque que deu a ele força para lutar contra uma das doenças mais temidas. “Consultei-me com dois urologistas oncólogos, excelentes, e fiz meu tratamento pelo SUS, no Hospital Luxemburgo. Tive atendimento espetacular, fui incrivelmente bem cuidado. Fiquei mesmo foi impressionado com a quantidade de pacientes com câncer de próstata que chegavam por lá. Resisti bem ao tratamento e agora estou na contagem dos cinco anos, quando poderei dizer que estou livre da doença. Acredito também que praticar esportes desde cedo me ajudou muito. Jogo tênis, peteca, xadrez, buraco... pedra!”, brinca seu José. 
A reação positiva ao tratamento ocorreu ainda porque ele tem boa saúde, não tinha nenhum outro problema. “Sem dúvida, isso me ajudou muito. E acredito que o fato de não ter omitido o câncer, de ter falado para a família, aberto o assunto, também contribuiu. Não me incomoda tocar no assunto, até para alertar as outras pessoas. O grande risco é não fazer os exames, tanto o toque retal quanto o controle do PSA. De preferência, anual. Na época em que descobri a doença, o meu PSA era 11, hoje está menos de um. É preciso vigiar. Não sou o típico homem com medo de médico, no entanto, por ser assintomático - não sentia nada, nenhuma dor -, acabei me descuidando. Temos de dar atenção ao nosso corpo”, aconselha. 
Recuperado, na ativa e com o corpo em movimento, seu José recomenda que todos os homens “tomem cuidado com a alimentação, que deve ser balanceada, ingiram pouca gordura, bebam muita água, façam exercícios e consultas periódicas ao urologista, porque a especialidade faz parte do checape. Não mudei minha rotina, faço as mesmas coisas de antes, acrescentei um brócolis aqui, um aspargo acolá, sucos naturais – o de maracujá é ótimo –, e nada de estresse ou angústia”. 
José Gonçalves é um personagem de alerta para todos os homens, ainda mais neste mês, quando, desde o dia 1º, para orientar a população, a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) começou mais uma edição do Novembro Azul. A campanha deste ano vai contar com palestras, ações de esclarecimento nas ruas com o Dr. Prost (personagem criado pela SBU para esclarecer ao público leigo sobre as doenças da próstata), live nas redes sociais, veiculação de mídias em transporte público e material informativo no site oficial da entidade: www.portaldaurologia.org.br/novembroazul. 
No dia 20, representantes da SBU participam do 11º Fórum de Políticas Públicas e Saúde do Homem, na Câmara dos Deputados, em Brasília. O evento ocorre todos os anos, por sugestão da entidade, para discussão da saúde do homem. O tema deste ano é “A saúde do homem do campo”. 
A campanha, adotada no mundo todo, nasceu em 2003, na Austrália, ligada ao Dia Mundial de Enfrentamento ao Câncer de Próstata, em 17 de novembro, e ao Dia Internacional do Homem, celebrado no dia 19. Dessa forma, houve grande adesão, fazendo do mês a principal época de alerta e estímulo à prevenção do câncer de próstata.

Fonte: (Lilian Monteiro - Portal Uai)

Total de visita(s): 6