Notícia 04/10/2017

DF: Remédios vencidos na Farmácia de Alto Custo

 

Vistoria surpresa do MP e do CRF encontrou produtos fora da validade, e com refrigeração inadequada. Secretaria de Saúde diz que itens estavam separados, e que tenta comprar geladeiras. 
A Secretaria de Saúde do Distrito Federal negou, nesta terça-feira (3), que houvesse risco de a Farmácia de Alto Custo da 102 Sul distribuir medicamentos vencidos. A possibilidade foi levantada após vistoria surpresa do Ministério Público e do Conselho Regional de Farmácia no local, na manhã desta terça. Segundo os órgãos, havia itens vencidos desde 2013 no local. 
Em nota, a pasta afirmou que esses medicamentos vencidos estavam no estoque, mas "separados daqueles em boa condição e, consequentemente, não [estavam] sendo dispensados aos pacientes". 
De acordo com o texto, essas caixas foram doadas por outras unidades da Federação – com prazo de validade mais curto, e para "atender a situações emergenciais" –, ou entregues pela população para o descarte apropriado dos medicamentos vencidos. 
A Secretaria de Saúde diz que outros lotes de medicamentos também tiveram a distribuição suspensa, em maio desde ano, depois que a área do estoque sofreu um princípio de incêndio. Segundo a pasta, há incerteza se os remédios ainda têm qualidade, por causa da elevação de temperatura causada pelas chamas. O governo aguarda resposta dos fabricantes para distribuir ou descartar os lotes. 
A vistoria do MP começou às 8h e, em poucas horas, a operação "Custo Alto" já tinha identificado medicamentos vencidos desde 2013. A localização desses produtos no estoque da farmácia não foi detalhada pelos promotores. À TV Globo, o Conselho Regional de Farmácia informou que vai elaborar relatório da vistoria, que será enviado ao MP para a continuidade das investigações. 
Armazenamento ruim 
Além dos problemas com a validade dos medicamentos de alto custo, promotores e conselheiros também relataram problemas com o armazenamento dos insumos. Segundo o conselho, o ar-condicionado da unidade da 102 Sul estava quebrado, e havia itens guardados em geladeiras domésticas. O refrigerador apropriado estava com o termômetro não calibrado, diz o órgão. 
Os equipamentos são responsáveis por manter a refrigeração de medicamentos e insumos classificados como "termolábeis". Na maioria dos casos, eles perdem efetividade se saírem da faixa de temperatura entre 2 ºC e 8 ºC – alguns podem se tornar tóxicos. A sensibilidade de cada produto varia, sendo que alguns medicamentos podem perder a validade em até meia hora de calor excessivo. 
Em resposta a esses problemas, a Secretaria de Saúde diz que "a temperatura de armazenamento é rotineiramente inspecionada para a verificação da qualidade do armazenamento, não tendo havido em qualquer momento risco para os produtos". 
A pasta também afirma que está comprando refrigeradores espefícicos para os medicamentos termolábeis. As máquinas, no entanto, são destinadas a uma nova Farmácia de Alto Custo, que deve ser inaugurada no Gama. A compra para as farmácias que já funcionam, diz a secretaria, "deve ocorrer até o fim do ano". 
Como funciona 
Além da unidade na estação da 102 Sul, há também uma em Ceilândia (na EQNM 18/20, na Praça do Cidadão). 
O atendimento inicial para cadastramento de usuário é feito, exclusivamente, por meio de agendamento pelo Disque Saúde 160, opção 3 para usuários residentes no DF e 0800 644 0160 para usuários não residentes no DF. 
Para retirar o medicamento nas unidades é preciso apresentar documento de identificação com foto e receita original. Para medicamentos termossensíveis, é preciso levar um recipiente térmico com gelo. 
A renovação do cadastro deve ser feita a cada três meses. O paciente poderá designar representantes para realizar a renovação e retirar o medicamento. É necessário apresentar declaração autorizadora anexada às cópias dos documentos pessoais da pessoa designada.

Fonte: (G1)

Total de visita(s): 58