Notícia 01/02/2017

SP: Corujão da Saúde realizou 100 mil exames

Número já exclui os cerca de 30% dos pacientes que marcaram, mas não compareceram. Prefeito prometeu zerar o déficit de exames na cidade em 90 dias. 
O programa Corujão da Saúde, que quer zerar a fila de espera para a realização de exames em São Paulo, alcançou a marca de 100 mil exames em janeiro deste ano, informou o prefeito João Doria (PSDB) nesta terça-feira (31). O número já exclui os cerca de 30% dos pacientes que marcaram, mas não compareceram aos hospitais. 
Quatro instituições particulares participam do programa: os hospitais do Coração, Sírio Libanês, Oswaldo Cruz e Albert Einstein. De acordo com a Secretaria Municipal da Saúde, os exames serão feitos, de preferência, entre 20h e 0h. Mas, na prática, cada unidade define os horários disponíveis. 
Segundo o levantamento feito pela Prefeitura, a maior parte dos exames realizados foram ultrassonografias (55 mil), seguidos por mamografias (12 mil), ecocardiografias (5 mil), tomografias (5 mil) e densitometrias ósseas (2 mil). 
O secretário da Saúde, Wilson Pollara, não informou se os 100 mil exames realizados representam o atendimento de 100 mil pessoas, pois, segundo ele, um paciente poderia ter solicitado mais de um exame. 
"Alguns deles, sinceramente, não precisavam mais do exame. É aquele paciente que há seis meses estava com dor de cabeça, o médico pediu uma tomografia, mandou o paciente embora ou não deu o tratamento ou deu o tratamento sem o exame", disse Pollara. 
Ele disse que o próximo passo é avaliar a real necessidade dos pedidos de exames feitos pelos médicos. "No futuro vamos ter de questionar todos esses exames. O doente não vai ao médico querendo um exame, ele quer tratamento. Se o médico precisa do exame para fazer o tratamento, esse exame precisa chegar rápido ao médico." 
O secretário acrescentou que cerca de 30% dos que marcaram exames não compareceram. "Só hoje, no Sírio, 61% das pessoas com exame agendado não compareceram", disse Pollara. 
Déficit zerado 
O Corujão da Saúde é uma promessa de campanha de Doria. "Vamos seguir com esse programa até zerar o déficit. Em 90 dias vamos zerar o déficit de exames na cidade de São Paulo. Após os 90 dias entramos na operação regular dos exames realizados na rede pública municipal, considerando um prazo limite de 30 dias”, disse o prefeito. 
“Se houver qualquer necessidade, por alguma circunstância, de aumento de demanda de exames, que excedam os 30 dias, imediatamente retomamos o Corujão da Saúde pelo tempo que for necessário para zerar novamente o déficit", acrescentou Doria. 
Hospitais 
Até o mês de abril, os hospitais do Coração, Sírio Libanês, Oswaldo Cruz e Albert Einstein vão oferecer 14.550 exames. Esse número representa apenas 3% da fila de 485 mil exames da rede pública que o prefeito promete zerar. A Prefeitura disse que vai fechar novos convênios com hospitais particulares e fará mutirões em 140 unidades da rede municipal. 
Segundo a Prefeitura de São Paulo, o Corujão da Saúde vai atender pacientes que estão esperando de um até seis meses na fila. A Prefeitura quer viabilizar transporte para quem faz exames na madrugada.

Fonte: (G1)

Total de visita(s): 64